Apoio da Gestão Estadual no desenvolvimento dos processos de trabalho do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Minas Gerais (MG)

Apoio da Gestão Estadual no desenvolvimento dos processos de trabalho do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Minas Gerais (MG)

O objetivo do trabalho foi a realização de oficinas de qualificação do processo de trabalho relacionadas às necessidades dos Núcleos de Atenção Primária à Saúde (NAPRIS) da SES-MG, principalmente no que tange a orientação das equipes do NASF adscritas às Unidades Regionais de Saúde (URS) do Estado de Minas Gerais. O NAPRIS é parte de cada uma das vinte e oito URS que compõem a SES-MG.
Qual foi a experiência desenvolvida? Sobre o que foi?: 

O NASF inicialmente se configurou na Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) como uma política que “não vinha para ficar”, dessa forma pelas suas configurações foram sendo criadas resistências em torno desta nova política na SES-MG. No entanto, o NASF foi se reafirmando enquanto política nacional e com isso os municípios começaram a demandar da SES-MG Nível Central e Regional qualificação para atuar nas perspectivas propostas pelo NASF. Para que a estratégia de qualificação fosse executada foram desenhadas três oficinas que seriam realizadas ao longo do ano de 2013 em Belo Horizonte, MG. Contamos com a participação das referências técnicas da Diretoria de Políticas de Atenção Primária das SES-MG (Soraia Francelino, Ana Paula Lara, Marli Nacif e Maria Aparecida Soares), do Apoiador do Ministério da Saúde (Marcelo Pedra), das docentes contratadas pela Escola de Saúde pública para aproximar a academia do serviço (Claudia Penido, Cassia Beatriz, Natália Azevedo e Letícia Gonçalves), da apoiadora do Cosems- MG (Camila Trevizam), além é claro do nosso público alvo, as referências técnicas do Núcleos de Atenção Primária (NAPRIS) das Unidades Regionais do Estado.

Como funciona(ou) a experiência?: 

A ideia das Oficinas surgiu a partir de demandas das coordenações dos NAPRIS que solicitavam constantemente ao Nível Central da SES-MG qualificação para atuar junto às quase trezentas equipes de NASF que já existiam no Estado. Diante deste cenário e da mudança nos critérios de vinculação das equipes que permitem que todos os municípios do Estado implantem NASF

Foram realizadas três Oficinas com carga horária de 16 horas cada. A 1ª foi realizada em abril de 2013, a 2ª em julho de 2013 e a 3ª em outubro de 2013. As oficinas receberam o nome de “NASF em Foco: Qualificação dos Núcleos de Atenção Primária à Saúde da SES-MG” e foram realizadas na Escola de Saúde Pública, em Belo Horizonte, MG.

O objetivo da 1ª Oficina foi trazer à tona problemas e desafios que permeavam o trabalho das Coordenações junto às equipes de NASF que eram apoiadas por cada Unidade Regional. Foram consideradas tanto as peculiaridades do trabalho de cada NAPRIS como as diferenças regionais existentes no Estado de Minas Gerais, que possui um total de 853 municípios e tem a Estratégia de Saúde da Família como carro-chefe no desenvolvimento da Atenção Primária à Saúde. Nesta 1ª Oficina também foram levantadas as atualizações da legislação referente ao NASF, com base na Portaria 3124, publicada em dezembro de 2012 e que mudou todo o cenário de implantações de NASF em Minas Gerais. A exposição dialogada e os pequenos grupos baseados na problematização foram um dos dispositivos metodológicos para o desenvolvimento desta 1ª Oficina.

Na 2ª Oficina foram escolhidas como tema as Ferramentas de trabalho do NASF, tais como: Apoio Matricial, Clínica Ampliada e Projeto Terapêutico Singular. Além do tema Apoio Insitucional, que está intimamente ligado ao trabalho desenvolvido pelo NAPRIS. Nesta 2ª Oficina contamos com a participação do “Grupo em Canto”, grupo de canto que foi desenvolvido por três equipes de NASF do distrito sanitário Barreiro, em Belo Horizonte. O grupo tem uma variedade de participantes (mulheres, homens, jovens, idosos) e tem o objetivo de favorecer a Promoção à Saúde por meio da música para a população de referência dessas equipes. Foi muito importante escutar de alguns usuários diabéticos e hipertensos que naquele momento estavam com a glicemia e a pressão arterial controladas graças a oportunidade de fazer parte daquele grupo. Contamos também com a apresentação do trabalho desenvolvido pela equipe de NASF do município de Rio Pardo de Minas que mostrou ao grupo as possibilidades de atuação de uma equipe como um todo.

Na 3ª oficina trabalhamos o tema do “Monitoramento e Avaliação”. Foi oportuno para que pudéssemos desenvolver o pensamento estratégico necessário e de fato implantar e implementar todos os passos que tínhamos dados na qualificação dos processos de trabalho do NASF. Fizemos uma retrospectiva dos temas que foram trabalhados, assim como as estratégias que podemos desenvolver para o enfrentamento dos impasses da prática do NASF. Fechamos como uma atividade de colagem com o tema “o que foram as oficinas do NASF para mim” e um vídeo dos melhores momentos da nossa oficina legendado pelas avaliações realizadas pelos participantes no decorrer das oficinas.

Autores da experiência

NomeCategoria
Soraia Santos Francelino GonçalvesFonoaudiólogo
Ana Paula Martins LaraPsicólogo

Atores da experiência

Nome
Marcelo Pedra
Marli Nacif de Sousa
Cláudia Penido
Cássia Beatriz Batista
Natália Silva Azevedo
Letícia Gonçalves
Natália Freitas Dantas
Maria Aparecida Soares

Comentários

Parabéns pelo excelente trabalho! O NASF precisa ser desmistificado, ainda possui muitos olhares errôneos por falta de conhecimento dos próprios profissionais inseridos nele e nas ESFs, para isso, a educação das ferramentas de trabalho do NASF são essenciais à todos, para que haja sempre a melhoria da qualidade do atendimento na Atenção básica.

Parabéns pela iniciativa. É um trabalho interesante, mas atráves do relato eu senti falta de alguns detalhes como por exemplo as dificuldades enfrentadas, os desafios para gestão e para o NASF, qual a contribuição para as ESF, entre outros, o relato poderia ter sido mais detalhado. Entendi o objetivo do trabalho e a metodologia utilizada conforme descrito no relato, acredito que o vídeo e mais fotos poderia ilustrar esse importante avanço da SES de BH em realação ao trabalho do NASF.

Marcia Quaresma  

Soraia, adorei seu trabalho! Percebe-se que houve bastante envolvimento e compromisso da equipe para que essa Formação acontecesse. É muito bacana ver que a gestão está realmente atenta a educação permanente do NASF e isso com certeza é um grande diferencial! Parabéns pela experiência e tomara que essa experiência se amplie, pois os NASFs precisam!  AbraSUS!

 

Ótimo trabalho, é de extrema importância valorizar e contribuir para que as atividades do NASF sejam realizadas, já que este demonstra um ator de grande relevância nas ações da atenção básica.

No entanto, acho que poderia ser apresentado de forma mais ampla, como por exemplo imagens e vídeos dos momentos.

Atenciosamente, Jéssica Moreno