PERCEPÇÃO DOS MONITORES DO PET/SAÚDE SOBRE A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DA RODA NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO TAMARINDO, SOBRAL, CE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PERCEPÇÃO DOS MONITORES DO PET/SAÚDE SOBRE A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DA RODA NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO TAMARINDO, SOBRAL, CE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

A experiência trata-se da utilização do Método da Roda ou Método Paidéia em uma Unidade Básica de Saúde em Sobral, Ce. Essa metodologia de abordagem é de iniciativa municipal onde vem desempenhando um papel fundamental na qualidade e prestação dos serviços de saúde das Unidades.
Qual foi a experiência desenvolvida? Sobre o que foi?: 

Os monitores do Programa de Educação pelo Trabalho em Saúde - PET/Saúde em contato com as equipes de saúde do município de Sobral, em específico na Unidade Básica de Saúde do Tamarindo, por meio do método da roda, possibilitaram compreender as relações estabelecidas dentro do âmbito coletivo. O Método Paidéia, no entanto, consiste em estabelecer espaços coletivos de ofertas e demandas à constituição de sujeitos com capacidade de análise e de intervenção (CARDOSO, 2012). O município de Sobral utiliza essa metodologia com o propósito de obter qualidade de atendimento ao usuário. À priori, essa abordagem caracteriza-se uma iniciativa local que vem desempenhando um papel fundamental na prestação dos serviços de saúde da cidade. Na UBS do Tamarindo, a utilização do método da roda proporcionou aos monitores o conhecimento das relações horizontais estabelecidas a cada encontro e identificou a participação  efetiva de todos os profissionais, com exceção do médico, no planejamento das atividades a serem realizadas. A participação direta das equipes da Residência Multiprofissional em Saúde da Família (RMSF) e Núcleo de Apoio em Saúde da Família (NASF) colocou em prática o compromisso profissional e a contribuição dos mesmos no dinamismo e aperfeiçoamento dos atendimentos e ações estabelecidas pela Unidade supracitada. O contato efetivo dos monitores do PET/Saúde com a equipe da Unidade se deve o fato de que os mesmos estão ligados através do Programa Saúde na Escola (PSE), que se constitui a pesquisa maior do Programa e a justificativa para nossa participação nas rodas do serviço. De início, em cada momento da roda, uma equipe fica responsável por promover um acolhimento a todos os funcionários como forma de prepará-los para as discussões que serão estabelecidas. Após essa recepção, a gerente da Unidade direciona os informes e pendências estabelecidos aos profissionais envolvidos. Dentre os assuntos mais discutidos pela gerência, que os monitores identificaram após vários momentos com a equipe, estavam a organização e aperfeiçoamento do fluxo de trabalho e da prestação de serviços na Unidade. No tocante, a metodologia de abordagem do método da roda colocou em prática a ideia de interatividade e proporcionou o surgimento de questionamentos e indagações pelos monitores sobre o processo coletivo da construção do trabalho em saúde na cidade de Sobral.

Como funciona(ou) a experiência?: 

As rodas da Unidade de Saúde do Tamarindo contam com a participação de todos os profissionais envolvidos, a saber: enfermeiros, equipe da Residência Multiprofissional em Saúde da Família – RMSF, Núcleo de Apoio em Saúde da Família – NASF, agentes de saúde, dentista, auxiliares de enfermagem, equipe do SAME, auxiliar de farmácia, serviços gerais e segurança. Às quintas-feiras, todas as Unidades de Saúde da cidade, no turno da tarde, não realizam atendimento, exceto os casos de urgência e emergência por alguns serviços. Esse dia é utilizado como ferramenta indispensável para as discussões e planejamento das atividades de saúde. Ademais, a utilização do método da roda é caracterizada como iniciativa da própria equipe de saúde e do município, e observando essa rotina na Unidade de saúde, pelos monitores do PET, surgiu então o interesse em aprimorar e compreender a dinâmica da roda e de que forma essa abordagem contribui para o serviço. Sendo que a aplicação dessa metodologia, no período de participação do PET, impactou uma maior efetividade e compromisso nas ações das equipes de saúde da Unidade. Isso por que em todos os encontros, há uma cobrança no que tange algumas pendências ou falhas de alguns profissionais bem como cobranças referentes a alimentação do sistema quanto aos dados estatísticos, por exemplo, pré-natal, consulta de enfermagem, consultas médicas, e também as necessidades de informação sobre agravos/riscos à saúde da população local.

Desafios para o desenvolvimento: 

Como todo e qualquer serviço demanda que as pessoas envolvidas saibam articular sobre determinadas situações, com o serviço de saúde não é diferente. E para que essa capacidade de envolvimento com os demais seja eficaz, é necessária a participação de todos os profissionais. No que se refere a experiência em questão, infelizmente não houve a presença participativa da categoria médica em boa parte das rodas da Unidade. Isso se deve a própria carência de profissionais interessados no contexto da atenção básica, ou seja, ainda presam pela ideia hospitalocêntrica. Na realidade do tamarindo, essa ausência é identificada por outras ocupações profissionais que este profissional possui, desta forma fazendo o mesmo se distanciar de boa parte das atividades da Unidade de Saúde. No entanto, um planejamento eficaz que possa trazer a participação do profissional médico seria de bastante relevância, pois o planejamento de ações a serem realizadas dentro do serviço, conta com o envolvimento e opnião de todos sujeitos.

Quais as novidades?: 

Após a nossa inserção, enquanto estudantes de enfermagem e educação física e também monitores do PET/Saúde, através do Projeto PSE, estamos tendo a oportunidade de desenvolver algumas ações junto ao Unidade Básica de Saúde (UBS) do Tamarindo. Dentre algumas ações se tem o planejamento de atividades junto ao grupo de adolescentes realizado quinzenalmente na própria Unidade. O grupo de idosos, onde a cada encontro, realizado às quartas-feiras, temos a participação dos monitores e dos próprios profissinais da UBS  com o então propósito de promover a saúde para terceira idade. Ou seja, com nosso inserção e além de nossa percepção quanto a metodologia da roda, como política local, estamos constantemente sendo desafiados a desenvolvermos atividades complementares ao PET/Saúde.

Outras observações/campo livre: 

O contato de PET/saúde com a equipe de saúde da Unidade supracitada, dá-se desde abril deste ano e vem corroborando com o serviço, não só dentro das atividades que envolvem a participação na roda, mas também desenvolvendo ações de promção da saúde, por exemplo, campanhas de vacinação, participação em grupos de convivência acompahamento pré-natal e consultas de enfermagem. Esse contato possibilita uma maior aproximação com as atividades desenvolvidas pela equipe, proporcionando assim o envolvimento e aperfeiçoamento no contexto teórico-prático.

Autores da experiência

NomeCategoria
Wyarlenn Divino MachadoEnfermeiro
David Gomes Araújo JúniorEnfermeiro
Ricardo Henrique Silva SilvinoProfissional de Educação Física
Karla Mara Coelho Ponte de OliveiraProfissional de Educação Física
Carina GuerraEnfermeiro
Maria Socorro de Araújo DiasEnfermeiro

Atores da experiência

NomeCategoria
Wyarlenn Divino MachadoEnfermeiro
David Gomes Araújo JúniorEnfermeiro
Ricardo Henrique Silva SilvinoProfissional de Educação Física
Karla Mara Coelho Ponte de OliveiraProfissional de Educação Física
Carina GuerraEnfermeiro
Maria Socorro de Araújo DiasEnfermeiro

Comentários

Prezados autores, bem vindos á Comunidade de práticas! Gostaríamos de atenta-los para o fato de que o eixo livre foi criado para garantir a inscrição de relatos que não coubessem nos outros 19 eixos de inscrição temáticas. Gostaríamos de sugerir que vcs reavaliassem a perinência de manter seu trabalho nesse eixo, já que pudemos perceber que sua experiência dialoga com os eixos 09 e 08 A adequação de cada trabalho ao eixo facilita a troca entre os autores de experiências na comunidade de práticas, ajuda a organização na seleção dos trabalhos e na composição das rodas de conversa no evento.

Para alterar o eixo, basta clicar em editar, um link localizado no alto da tela e fazer a alteração do eixo. Posteriormente faremos a migração dos relatos para o eixo mais adequado, de acordo com a escolha do autor.

Estamos a disposição para maiores esclarecimentos!

 Abraços

Olá, Sabrina. Tendo em vista sua colocação à respeito de nossa experiência constatamos realmente que a mesma se adequa aos eixos supracitados. Após minha discussão com os outros autores achamos interessante optar pelo eixo 8. Obrigado pela atenção quanto a nossa experiência.

 

Forte abraço,

Sabrina Ferigato, nós mudamos o eixo de nossa experiência, mas vejo que, ao lado de minha foto, ainda permanece o eixo antigo. Não terá algum problema no que se refere a análise da experiência? ou seja, permanecer, para vocês, como o experiência inserida no eixo 20, sendo que mudamos para o eixo 8, há 11 dias?

Abraço,

Não se preocupe Wyarlenn, seu procedimento está correto. posteriormente faremos a migração para o eixo escolhido

Abraços e obrigada!

Olá Wyarlenn, muito prazer! Meu nome é  Ingrid, sou curadora da IV Mostra e estou escrevendo para saber do seu interesse em submeter este relato ao processo de curadoria da IV Mostra.

Pelo visto você já iniciou seu diálogo com a comunidade a partir da mudança de eixo do trabalho sugerida pela Sabrina.

 A Curadoria não é obrigatória e a ideia é que possamos conversar através da plataforma da Comunidade de Práticas (http://www.atencaobasica.org.br), com o intuito de possibilitar que o relato da sua experiência mostre todas as suas possibilidades.   E aí, você topa?   Caso positivo, preciso que você responda em até 5 dias corridos. Após esse período, precisaremos passar para um próximo relato de experiência, para garantir o acesso do maior número de pessoas.  Eu, Camila Avarca e Mônica Kafer estamos compondo um trio para acompanhamento de seu trabalho. 

Fico aguardando. 

Abraços,

  ____________________________________

Ingrid D'avilla

Curadora da IV Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/ Saúde da Família  

Olá, Ingrid. O prazer é todo meu.

Bom, a ideia e o interesse de estar compartilhando esta experiência, deve -se o fato de que essa metodologia de abordagem (Método da Roda) é uma iniciativa local e que repercute diretamente na qualidade de saúde da população e nas práticas em saúde dos profissionais envolvidos. Todas as Unidades de Saúde de Sobral utilizam essa estratégia como forma de tornar organizado e eficaz todo o processo de construção do trabalho em saúde na atenção básica. Em vista disso, o PET/Saúde, o qual sou monitor, me proporcionou e proporciona o contato com as diversas práticas em saúde. Essa metodologia, tive a oportunidade de vê-la mais de perto, na Unidade de Saúde a qual atua como monitor, por isso escrevo sobre a realidade da mesma, mas como afirmei, essa se trata de uma estratégia municipal e que possibilita a cidade de Sobral se tornar a nível estadual, nacional e quiçá internacional referência de atenção básica à saúde por essa e por outras estratégias.

Abraço,

Olá Wyarlenn,

começamos então o processo de curadoria. Como já conversamos anteriormente a curadoria se dá aqui na Comunidade de Práticas, de forma pública. Somos um trio de curadores (eu, Mônica Kafer e Camila Avarca). Juntas iremos conduzir o processo. Eu sou a referência para você aqui na comunidade de práticas, mas a Mônca e a Camila também lerão o seu relato e me ajudarão, por e-mail, a fazer as sugestões que serão propostas aqui.

Mas voltando ao seu relato! Um dos pontos fortes do seu texto é a visualização da aplicação do método da roda no cotidiano de uma equipe de ESF. Bom, mas algumas coisas ainda não estão claras. Você, ator do relato, é estudante de enfermagem do PET? É isso? Esta iniciativa já vinha sendo realizada pela equipe ou foi uma inovação a partir do contato com os estudantes do PET? Além destes pontos, será que vocês poderiam detalhar: o que motivou a realização desta experiência? Desde quando ela acontece ou quanto tempo durou? Quais os seus desdobramentos?

Bom, este é apenas um início de conversa. A proposta é que você possa editar seu relato a partir destes questionamentos e dialogar conosco pelos comentários.

Seguimos conversando?

Abraços,

____________________________________

Ingrid D'avilla

Curadora da IV Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/ Saúde da Família  

Olá.
Isso mesmo, sou estudante de enfermagem e do PET.  Na realidade, a utilização do método da roda, já é uma iniciativa da própria equipe  e do próprio município, e vendo a rotina nas rodas da Unidade e também tendo o conhecimento de que essa ideia é de toda as Unidades de Saúde, despertou-se o interesse em está compreendendo a dinâmica da mesma e de que forma essa metodologia contribui para o serviço. No que concerne a experiência, essa se dá desde abril deste ano. É claro que, criteriosamente, nem todos os encontros participamos, devido à realização de outras ações do PET agendadas no mesmo dia e horário da roda, mas sempre que livre de outras ações, buscamos estar presentes.

Bom. aqui busquei, de forma singela, responder suas indagações e que foram, sem dúvidas, bastante relevantes. Porém, adianto que suas colocações à respeito de editar o nosso relato serão acatadas. Logo estarei enviando as alterações.

Forte Abraço

Ótimo Wyarlenn, acho que estamos nos entendendo bem!

Assim que fizer as alterações me avise por aqui, assim podemos fazer nova leitura e "pitacar" um pouco mais.

Estou adorando conhecer melhor o trabalho de vocês!

Abraços e até mais,

Ingrid D'avilla

Curadora da IV Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/ Saúde da Família  

Ops!, Ingrid. já fiz algumas alterações no relato. Tinha esquecido de avisá-la. Perdão!!!

obs: acrescentei informações no tópico: Como funciona(ou) a experiência? e no campo livre, para outras informações.

Ingrid, fiz as alterações no relato e continuo recebendo e-mail afirmando sobre prazor para modifica-lo.

Preocupado aqui,

Abraço,

Olá Wyarlenn, bom dia!

Você está recebendo emails porque ainda pode editar seu relato até o dia 04/11. 

Li suas mudanças no relato. Parabéns! Está ficando ainda mais interessante! A a essência da experiência está bem mais clara : )

Sobre quem participou da experiência, bem como sobre quem participa das atividades de planejamento da equipe, você destacou que são  todos os profissionais não médicos. Sugiro que você coloque algo como: todos os profissionais com exceção do médico. Não ficaria melhor? Ainda sobre este aspecto será que vocês poderiam desenvolver porque isto acontece? Qual a dificuldade de integração com estes profissionais?

Além disso, há outras linguagens (imagens gráficas, fotos, poesias, vídeos) poderiam contribuir nesse processo de amostração?

Quanto tempo durou/tem durado a experiência? Há outros desdobramentos?

Ah, você pode colocar a referência citada nas observações/campo livre!

E como autor da experiência, sugiro que você mencione a categoria estudante de enfermagem, ou outro já que estou entendendo que você ainda não é enfermeiro. Ou entendi errado?

Continuo por aqui à sua disposição.

Abraços,

____________________________________

Ingrid D'avilla

Curadora da IV Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/ Saúde da Família  

Olá, bom dia.

Ingrid, fiz as devidas alterações. No que se refere as outras linguagens, saliento que as fotos, por exemplo, não consegui recuperá-las, mas verei o que posso fazer.

Forte Abraço,

O relato é bastante instigante, mas gostaria de ver imagens de como se procederam as ações. PARABÉNS!!!

 

1

Olá, tudo bem?

Obg por sua opnião. Na verdade, houve um pequeno problema em relação as fotos, porém vou vê se consigo recuperá-las.

 

 

Abraço,

Olá Wyarlenn, que bom que você gostou das sugestões!

Sucesso na etapa de avaliação entre pares e parabéns pela experiência!

Abraços,

Ingrid

Prezados colegas

A experiência da Roda implementada por voces, que envolve a maioria dos profissionais de uma unidade básica de Saúde, aponta que o encontro, o diálogo constante, é fundamental para a organização e procsso de trabalho. Aqui em BH, tenho observado que a prática do matriciamento com as ESFs, podem ser ampliadas, com esse tipo de iniciativa.

Um abraço

Sem sombra de dúvidas. Acreditamos fielmente que iniciativas dessa natureza, dialogada entre todos os envolvidos, facilita bastante o dinamismo no serviço de saúde.

Obrigado por sua implementação.

 Forte Abraço

A experiencia desenvolvida responde muitos questionamentos que tenho sobre o trabalho em equipe, um deles seria o desafio do relacionamento interpessoal, compreendi que na metodo da roda, agrupando os profissionais e discutindo idéias, mas tambem entendo que melhor acontece quando vem alguem de fora da equipe. Parabens!

Grato por suas colocações.

Olá, aqui no municipio onde trabalho também é realizado um momento para discução de casos, processo de trabalho e afins. No entanto não engloba tantos profissionais. Achei interessante a abordagem multi e o apoio do PET.