Um novo pensar do processo de trabalho de enfermagem em uma ESF

Um novo pensar do processo de trabalho de enfermagem em uma ESF

Trata-se de uma experiência desenvolvida em uma Estratégia de Saúde da Família, localizada na região Oeste do Município de Santa Maria/RS, na qual foi elaborada uma nova proposta para os atendimentos de enfermagem. Quatro enfermeiras atuantes na Unidade dividiram-se em duplas denominadas "Equipe Rua" e "Equipe Posto" para um melhor desempenho do trabalho.

Dados da Experiência

Local da experiência: 
Santa Maria (RS)
Qual foi a experiência desenvolvida? Sobre o que foi?: 

           A experiência está sendo desenvolvida na Unidade de Saúde da Família Roberto Binato que esta localizada na região Oeste do município de Santa Maria/RS. Essa Unidade é composta por duas equipes de Saúde da Família e atualmente é um campo de atuação do Programa de Residência Multiprofissional Integrada em Sistema Público de Saúde da Universidade Federal de Santa Maria.           

            A partir da inserção, em 2013, de duas Enfermeiras do Programa de Residência Multiprofissional juntamente com as duas Enfermeiras da Unidade foi elaborada uma nova proposta para os atendimentos de enfermagem. As quatro enfermeiras dividiram-se em duplas denominadas “Equipe Rua” e “Equipe Posto” para um melhor desempenho do trabalho. A “Equipe Rua” é a dupla que desenvolve todas suas atividades na parte externa da Unidade, enquanto a “Equipe Posto” é responsável pelas atividades internas. Essas equipes realizam trocas periódicas, que atualmente ocorrem semanalmente.

Como funciona(ou) a experiência?: 

           A experiência começou a partir da opinião de uma das enfermeiras da Unidade, que levou para discussão junto à outra enfermeira e residentes de enfermagem em março de 2013. A proposta foi uma alternativa interessante principalmente pelo fato que haveria quatro enfermeiras atuando nessa Unidade, também, pois essa experiência permitiria aproximar-se da realidade dos usuários adstritos ao território de cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF), dificuldade enfrentada pelos profissionais dessa Unidade uma vez que essa abrange um número elevado de pessoas.

            A partir disso, foram divididas as duplas a fim de iniciar tal experiência. Cada dupla foi contemplada com uma enfermeira da Unidade e uma Residente. A “Equipe Rua”, por desenvolver suas atividades na parte externa da Unidade participa dos grupos desenvolvidos da ESF: Grupo de Educação Continuada com os Agentes Comunitários de Saúde (ACS), Grupo de Hipertensos e Diabéticos (Hiperdia), Grupo de caminhada e Grupo de Convivência. Além disso, realizada visitas domiciliares a fim de conhecer a realidade da comunidade, e também, assistência domiciliar. Cada ACS tem um turno fixo da semana para realizar visita domiciliar com uma das enfermeiras da “Equipe Rua”.

            Já a “Equipe Posto”, que é responsável pelas atividades internas da Unidade, realiza as consultas de enfermagem: saúde da mulher, saúde da criança, pré-natal e puerpério; acolhimentos, atividades administrativas e burocráticas da Unidade, também, procedimentos privativos do enfermeiro.

Desafios para o desenvolvimento: 

            No início das atividades a troca entre “Equipe Rua/Equipe Posto” ocorria bimestralmente. E, essa troca bimestral ocasionou certa angústia, uma vez que causava um afastamento por período prolongado ora as atividades internas, ora as externas, quebrando em parte o vínculo com os usuários. A fim de resolver essa situação, optou-se por realizar as trocas das equipes semanalmente, assim, cada dupla fica uma semana dentro, outra fora da Unidade. Essa modificação tem se mostrado bastante resolutiva a fim de se obter a longitudinalidade das ações.

Quais as novidades?: 

          Cremos que com essa nova conformação do processo de trabalho de enfermagem foi possível uma maior aproximação entre comunidade e ESF, uma vez que sempre há agentes disponíveis para atuar na comunidade. Ainda, a partir dessa estratégia de atuação das enfermeiras pode-se perceber que o trabalho não se restringe a ações curativistas desenvolvidas em um modelo assistencialista, mas sim, desenvolver ações a partir do conhecimento da realidade local e das necessidades de sua população. Essa alternativa favorece ainda o estabelecimento de vínculo, corresponsabilização da atenção, além de atuar de forma resolutiva nos problemas de saúde, produzindo maior impacto na situação de saúde local.

            Ainda, a partir dessa experiência pode-se perceber maior aproximação entre os membros da equipe. Atualmente, são realizados encontros semanalmente com enfermeiros, ACS e residentes para discussão de casos a fim de aprimorar a resolução desses.

Outras observações/campo livre: 

A partir da implementação dessa nova proposta do processo de trabalho pode-se perceber maior aproximação dos trabalhadores de saúde e comunidade, uma vez que esses trabalhadores tem a oportunidade de estar em tempo integral junto a essa população. Ainda, a experiência promoveu aumento do elo entre trabalhadores da ESF, devido a necessidade do trabalho em equipe para a resolutividade das ações.

De forma geral, a população mostra-se satisfeita com essa conformação do serviço, uma vez que é atendida de forma mais resolutiva e longitudinal, no ambiente em que estão inseridas, o que qualifica o atendimento da atenção básica. A experiência em questão ocorre desde março de 2013, e pelo fato de estar sendo uma experiência positiva para a equipe da ESF, bem como para a população, o intuito é que a prática continue ocorrendo nesse serviço.

Autores da experiência

NomeCategoria
Nathália Marion FantinelEnfermeiro
Bruna SkrebskyEnfermeiro
Patrícia Curti BuenoEnfermeiro
Laura Taís Loureiro SimasEnfermeiro
Terezinha WeillerEnfermeiro
Cristiane Frasson CarpinTécnico de Enfermagem

Atores da experiência

NomeCategoria
Ezedir Flor EleutérioTécnico de Enfermagem

Comentários

Ligau !

Olá Nathália, boa tarde!

Parabéns pela iniciativa de inscrever o relato de experiência " Um novo pensar do processo de trabalho de enfermagem em uma ESF" na IV Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/Saúde da Família!

Meu nome é Fabiane Asquidamini, sou curadora dessa Mostra, e gostaria de saber se você tem interesse em participar do Processo de Curadoria, cujo papel é contribuir com os autores para que as experiências sejam relatadas da maneira mais clara e detalhada possível.

A participação no Processo de Curadoria não é obrigatória, e a ideia é que possamos conversar por meio desta Comunidade de Práticas a fim de possibilitar que o seu relato "mostre" todas as potencialidades de sua experiência.

Desta forma, caso você tenha interesse em participar da Curadoria, é necessário que você me dê um retorno em até 5 dias corridos, já que a participação nesse processo é limitada e precisamos dar oportunidade para que outras pessoas participem.

Aguardo um retorno!

Olá Fabiane, estou interessada sim em participar do Processo de Curadoria!!
 

Aguardo retorno

boa tarde Nathália

Gostaríamos de dizer que ficamos muito contentes com seu aceite. A partir desse momento, eu, Luciano e Irina, estaremos disponíveis para dialogar sobre sua experiência com o intuito de qualificar a apresentação escrita. A orientação é mantermos essa conversa pela Comunidade de Prática (que você pode acessar pelo link abaixo). Já enviamos algumas considerações.  A princípio, nosso período inicial para realização da curadoria é de 15 dias, a contar dessa data. Acesse seu trabalho e procure nossa postagem. Qualquer dificuldade pode retornar a esse e-mail. abraço. 

Boa tarde Nathália,

Foi muito interessante ler sobre o trabalho desenvolvido pelas enfermeiras na ESF. O relato está muito bem escrito e provoca curiosidade de saber mais, obter mais detalhes. Como é uma experiência que demostra ser interessante tanto para o território como para o próprio processo de trabalho. Sugerimos que você conte mais a respeito: como a população tem respondido a esse modo de organização e oferta de serviço? Qual a repercussão que vocês observam dentro da equipe e na comunidade assistida?Como essa experiência pode qualificar o atendiemtno da atenção básica de saúde?Outra questão interessante é refletir a continuidade da experiência, se está prevista ou se será necessário articular a continuidade.Que achas das nossas sugestões? A ideia é que você amplie o seu relato, com outros detalhes e enriquece-lo ainda mais, partilhando a iniciativa com outras ESF.

Estamos à disposição, parabéns pela iniciativa e partilha da experiência

abraços

 

Fabiane. A partir das questões que levantaste, realizei um complemento no trabalho (na parte de outras observações). Qualquer dúvida estou a disposição!!

Peço desculpa pela demora no retorno!!

.

Parabéns pela experiência! Também sou enfermeira e nada como ler experiências dinâmicas em relação ao processo de trabalho. 

Bacana o relato e parabéns pela inciativa, afinal quando "estamos na ponta" da atenção à saúde temos que pensarem estratégias que melhoram nosso trabalho e que muitas vezes não são colocados pela gestão. Promover a saúde da população que atendemos e cumprir nossas ações de assistência exige muita inovação!